src="http://pagead2.googlesyndication.com/pagead/show_ads.js">
Google

29.10.06

Visitei o seu blog ontem. Já lá não ia há 1 mês.
Já há dias que me tinha lembrado várias vezes em lá ir. Mas quando vinha à net, esquecia-me.
Haviam praí 3 posts novos. Um deles dizia "adeus pai".
Senti um calafrio. Senti-me culpada pela ausência.
Tinha acontecido há 4 dias atrás.
Tinha que lhe ligar. O que lhe dizer?
Não ia perguntar como é que ele estava. Sei que vai ficar melhor.
Queria apenas mandar-lhe um abraço grande. Já que não estava com ele pessoalmente.
O que lhe dizer? Como o dizer?
É difícil ser-se reservado...custar a falar. Afligia-me ir ao encontro dele por telefone.
Mas tinha de ser. Há momentos bem mais fortes que os medos e fragilidades que nos assaltam.
Tentei dizer o essencial, mas nesse essencial a voz tremeu-me.
Ele falou muito de futebol, mas não era assunto que me interessasse minimamente.
Há coisas bem mais importantes.
Hoje fui lá ao cemitério tentar saber onde ficou. Estava fechado a cadeado.
Olhei pelo portão principal, olhei sobre o muro. Olhei no outro portão do lado.
Havia ali mesmo ao pé deste, um amontoado de ramos de flores, sinal de que tinha sido depositado um corpo há pouco tempo.
Não sei dizer se era o que procurava ou não. Mas mais tarde saberei.


Para hoje fica "Cada vez mais aqui", dos Toranja

4 Comments:

Blogger caminante said...

Siempre queda, cara amiga, la certeza de nuestro cariño, de una palabra amiga. ¿Por qué no estábamos allí? Alguien lo sabe aunque no quiera decírnoslo. O sí.
Unfortísimo abrazo.

06 novembro, 2006 20:05  
Blogger caminante said...

Tranquila. Ya somos dos. Yo también presumo de ser de aldea. Es ahí don de, todavía, se convservan los valores. Y el trato personal, directo, de corazón a corazón.
Un fortísimo abrazo.

06 novembro, 2006 20:07  
Blogger gota de chuva said...

:)
Gracias caminante.
Obrigada pela companhia nesta caminhada. Tenho saudades das terras da Galiza.
Abraço de volta

06 novembro, 2006 21:57  
Blogger caminante said...

Galicia y el norte portugúes están hermados. Las soudades se matan regresando. Cuando se pueda...Desde la frontera....¡¡¡caminamos!!!
Un fortísimo abrazo.

16 novembro, 2006 22:02  

Enviar um comentário

<< Home

eXTReMe Tracker